Apego e Sua Forma de Amar – Parte 1

Continuando a falar sobre a Teoria do Apego, agora quero relacionar os padrões de apego estabelecidos nos primeiros anos de vida com as dinâmicas de relacionamento amoroso na fase adulta.

casal-em-azul

 

PADRÃO SEGURO

182627_483077128421023_1679364939_n

A criança explora o ambiente de forma entusiasmada e motivada. Mas busca na mãe um referencial de apoio, se afasta para explorar o ambiente, mas volta o olhar para encontrar a mãe, no intuito de confirmar sua presença. Quando a mãe retorna se deixa ser confortada por esta. Na experiência a criança apresentava resistência em interagir com o estranho, mas arriscava alguma interação com ele, caso a mãe continuasse presente.

 

QUANDO ADULTO: estamos falando aqui de uma pessoa que desde cedo experimentou uma sensação de segurança, de conforto, de que “tem com quem contar”. Isso promove na vida adulta autoestima e a percepção que se é digno de ser amado.

Assim, quando adulto tende a lidar melhor com as situações de frustração, pois acredita em si mesmo(a). Como possui boa autoestima, acredita que deva ser amado(a) e viver a maior parte de sua vida de forma a se sentir feliz ou com bem estar. Mesmo sabendo que nenhuma relação é perfeita, consegue avaliar melhor as relações que são tóxicas e prejudiciais daquelas que são dignas de serem vividas.

A relação amorosa NÃO é um bote salva vidas, simplesmente porque sua vida não é um barco à deriva, procurando ser resgatado por alguém. A relação preenche um aspecto muito importante da vida, mas a pessoa também consegue encontrar engajamento em outras partes de sua vida: Trabalho, atividade física, tarde com amigas, estar sozinho lendo um livro etc.

Quando ocorre o fim da relação sofre, é claro, mas consegue gerenciar sua vida, porque tem um senso mais apurado do que ocorreu na relação, seus erros e acertos. Guarda em si (mesmo vivendo o luto da relação) uma confiança no futuro. Com isso, consegue se reestabelecer com o tempo.

No entanto, é ingenuidade pensar que esse estilo de apego é perfeito e dá conta de lidar sempre com maestria nas relações amorosas. Digo isso, porque a postura de abertura e franqueza que pressupõe esse tipo de vinculação permite, por outro lado, uma maior vulnerabilidade. Nem sempre na relação é possível ter os sentimentos aceitos e acolhidos pelo outro, como ocorria na relação mãe e filho. Assim, por ter sido menos exposta à relações inseguras na infância tende a desenvolver uma quantidade menor de recursos para lidar com as frustrações. A capacidade de lidar melhor com as frustrações vai depender da plasticidade do ego, desenvolvida ao longo da vida adulta.

PADRÃO AMBIVALENTE OU RESISTENTE

autoestima

Essas crianças tinham pouco interesse em explorar o ambiente. Não se aproximavam da pessoa estranha e mostravam-se mais chorosas. Aqui a criança também sofria com a ausência da mãe, mas quando esta retornava não se deixava ser consolada por ela. Ao mesmo tempo que reclama sua presença, em alguns casos chegava até a recusar o contato com ela. Daí o aspecto ambivalente na experiência.

QUANDO ADULTO: Tende a ser um adulto inseguro. Não sente muita confiança em si próprio e apresenta um estilo contraditório de ser, hipersensível e com pouca iniciativa própria.

Tende a ser mais ansiosa(o) e mostra maior vulnerabilidade. Normalmente possue expectativas negativas sobre si e sobre o outro e nas relações amorosas cria padrões distorcidos de processamento de informação, ou seja, não consegue avaliar os “sinais” dados pelo outro. Isso acontece porque o indivíduo desenvolveu a chamada estratégia secundária de proteção, que é um efeito compensatório no sistema psicológico. Assim, tem duas possibilidades de reação:

Primeira: normalmente vê o parceiro como não disponível ou insensível (e pode ser uma distorção da realidade). Essa sensação de desamparo gera muita angústia e para não vivenciar tal sensação vai desativando o sistema de apego e isso gera uma incapacidade de “ler” as demonstrações de afeto do outro, gerando uma constante insatisfação da relação.

Segunda: Como tem uma visão do parceiro como alguém não disponível, super aciona o sistema de apego na tentativa de ter suas demandas emocionais atendidas. Assim, mostra-se vulnerável na tentativa de ter do parceiro alguma reação que atenda às suas demandas por afeto.

Luciane Lima – Psicóloga

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s